O nosso entrevistado da vez é o preparador Sérgio Ricardo, porém mais conhecido como Serginho, o papo aconteceu na Infinity Racing e com ele encerramos a nossa série de entrevistas aos preparadores de São Luís. Confira:

Nome: Sérgio Ricardo de Paula
Idade:
04/03/77
Apelido:
Serginho
Cidade Natal:
São Luís – MA
Profissão:
Preparador
Hobbies:
Arrancada

1. De onde veio o interesse para trabalhar com carros de alta performance?

Foi em uma viagem de férias a Fortaleza, onde ia ter um evento de arrancada no autódromo, foi quando vi os carros e criei interesse. Logo pensei em montar um carro de arrancada pra mim, comprei um kit turbo e depois mais tarde adquiri um “Gol Gt” e utilizei a noção de mecânica que eu já tinha juntamente com um amigo que convidei para montar o carro.

2. Com quem ou como você aprendeu a trabalhar com esses carros?

Eu já tinha uma noção básica de mecânica que veio do meu pai, depois resolvi pesquisar, estudar e me aprofundar mais na mecânica de preparação de carros.
Sempre estou em São Paulo – SP, para estar me reciclando e aprendendo.

3. Onde começou a sua empreitada como preparador?

Aqui em São Luís, ao lado de onde hoje é a Batuque Brasil, uma portinha de 4 metros por 8 de fundo só dava um carro que mal abria as portas direito, Foi a primeira Infinity que antes se chamava Infinity Insufilm antigo oficio. Foi quando que a convite de um empresário mudei para o posto Natureza aqui no Turu dando continuidade aos trabalhos com performance de carros durante 5 anos, logo após comprando o terreno onde hoje é a atual Infinity Racing.

4. Quanto tempo você trabalha com esses carros?

Há 11 anos, quando eu parti pra parte de preparação.

5. Ao longo do tempo pensou em mudar ou desistir dessa carreira?

A gente procura outras fontes de renda, pra ajudar no sustento até mesmo por que nossa região é deficiente na preparação automobilística, agente aqui só tem arrancada, não tem circuito, um veloterra, fica bitolado só a arrancada, mais se eu falar que eu não ganho dinheiro eu vou estar mentindo, porém 80% é paixão é um amor que eu tenho em montar esses carros. Eu até brinco com meus clientes hoje eu tenho mais prazer em montar, em detalhar, do que correr e ver os carros dos meus clientes ai na pista.

6. Qual o projeto você considera até hoje o mais trabalhoso de ter sido concluído?

Os projetos mais trabalhosos são os FORÇA LIVRE, que requer mais atenção pela força, gerando acima de 700cv, mais na verdade todo carro que é preparado pra perfomance você tem que ter um cuidado redobrado, pois são peças muito caras pra você acabar facilitando e acabar dando um prejuízo para o cliente.

7. Você tem ou já teve algum carro de arrancada? Como foi a experiência?

Sim, vários, foi uma evolução com um carro de rua um gol 86, depois me profissionalizando mais fazendo carro de arrancada mesmo, disputando o Cearense de Arrancada, sendo bi-campeão cearense e o detentor do recorde da categoria “Turbo A” no Cearense e Maranhense até hoje. E hoje a Saveiro força livre que ta em fase de conclusão.

8. Qual a sua lembrança sobre a época em que os “Rachas” eram praticados em locais impróprios? Tem algum fato importante que possa dividir conosco?
Tem várias lembranças, a gente muito novo participando desses locais, mas tem muita lembrança triste também, perdemos muitos amigos, gente muito nova que tinha um futuro bom pela frente e agente chegou a conclusão que o local para correr mesmo era no autódromo, na pista mesmo, com segurança, com bombeiro, que fazer racha na rua é mais lembrança triste do que boa, dos amigos que agente perdeu e que poderiam estar conosco hoje.

9. Você acha que a pista IlhaRace, beneficiou para o fim total das corridas ilegais?

Com certeza se fizer uma estatística hoje, você verá que é praticamente zero, pena que as autoridades do estado não dão nem um incentivo ou apoio para manter a pista. A ilha race só trouxe benefícios para o estado do Maranhão e região. O medo nosso é que acabe a Ilha Race, por falta de um apoio dos poderes públicos ao empresário que criou a pista.

10. Conte uma experiência engraçada já vivenciada por você ou por pilotos da sua equipe.

Eu fui testar uma Parati de um cliente nosso aqui com “Nitro”, foi quando agente tava saindo pra fazer um teste aqui na rua e um cliente amigo nosso pediu pra ir junto, uma mangueira do Nitro soltou e saiu o gás branco dentro do carro e ele começou a gritar pedindo pra sair do carro, dizendo que o carro ia pegar fogo, no desespero ele tentou abrir as portas que estavam travadas, então ele saiu se jogando, se rolando pra tentar sair de qualquer forma do carro e o mesmo dizendo que o carro ia explodir que nem no filme Velozes e Furiosos.

11. O que você espera para o futuro da arrancada maranhense?

Eu espero que cada vez mais os pilotos se profissionalizem. E que agente se iguale, ao pessoal do Sul do Brasil, que é uma região que já está bem desenvolvida em questão de preparadores e de prestação de serviços nessa área.

12. Você pretende passar os seus conhecimentos para alguém e dar continuidade a sua oficina de preparação?

Com certeza, agente pretende sempre ter trocas de informações e acho que o conhecimento foi feito pra ser passado, e é com isso que a coisa tende a crescer sempre compartilhando e trocando informações com os próprios amigos e profissionais.
Quando eu não sei uma coisa eu tenho a humildade de ligar pra uma pessoa e perguntar sobre. No futuro eu pretendo continuar com a mão na massa mesmo com a idade, quero continuar no afinamento do carro.

13. Que conselho você daria pra quem está pretendendo entrar no mundo da velocidade?
Os novatos, agente sempre tenta instruir com o pouco que agente sabe, até por que agente ta um pouco de tempo a mais no ramo, sempre frisando que o cara tem que ficar atento no que ta acontecendo com o carro, passar isso pro preparador, não ficar nervoso na largada, por que arrancada não da pra se recuperar como no circuito, se você perder um segundo na arrancada pode ser fatal. O piloto tem que conhecer o carro dele, pra saber o que fazer.
14. Qual carro antigo que te fascina até hoje? Porque?
Eu gosto muito dos motores AP, é um motor bem antigo e ultrapassado que até hoje gera uma potência muito alta, hoje você tem motores AP que geram mais de 1000 cavalos, é um motor ultrapassado mas que o brasileiro conseguiu um desenvolvimento muito bom, conseguindo tirar muita potência desses motores, então as vezes agente pensa que já sabe tudo sobre os motores AP e surge mais uma coisinha nova pra tirar potência nele.

15. E um carro novo?

São os Hondas SI que originalmente tem um cavalaria muito alta, acho que eles serão o futuro da arrancada. Temos relatos desse modelo de carro aí pra fora com cerca de 400 cv nas rodas.

16. Só para encerrar, você gostaria de deixar algum recado para os leitores do 200milhas?

Pra turma participar mais dos eventos, incentivar mais, acelerar sempre na pista e que esse ano vem muita novidade por ai e que nós da Infinity Racing estamos de portas abertas esperando quem gosta de automobilismo em geral.